O Social em Questão - Revista do Departamento de Serviço Social PUC-Rio - Página inicial
Rio de Janeiro, 21/05/2018
ISSN 1415-1804 (Impresso) | ISSN 2238-9091 (Online)
Ano 20, n. 39 - set.-dez./2017

Edição


Seção livre: Retomar la informalidad. Un abordaje de su dimensión política

Revisiting informality. Towards a political approach
Retomar a informalidade. Uma abordagem da dimensão política

Este artículo analiza desde un plano teórico la cuestión de la informalidad. Específicamente se propone explorar la dimensión política que se inscribe en el binomio formalidad/informalidad. Con este objetivo primeramente se remitirá a los estudios sobre marginalidad, entendiendo que constituyen un antecedente central del problema en cuestión. Seguidamente se ingresará en la noción de informalidad propiamente dicha, para llegar a la cuestión de la informalidad política. Este aspecto hará necesaria una remisión a los poderes estatales y su estatuto en torno a la demarcación de los umbrales del
binomio. Posteriormente se rastrearán los solapamientos entre lo formal y lo informal en el “mundo popular”. Luego se revisarán dos nociones que pretenden asir el espacio de intersección referido, éstas son “estado de excepción” y “zonagris”. Finalmente se evaluarán las potencias y los límites de estas nociones.

Palabras clave
Informalidad; Marginalidad; Clientelismo; Zona gris; Estado de excepción.

  

Title: Revisiting informality. Towards a political approach

This contribution explores the question of informality from a theoretical point of view, aiming to study the political aspect of the pair formality/informality. To this end, firstly we will refer to studies about marginalization, taking into consideration that they are a main precedent to the issue. Secondly, the notion of informality itself will be introduced, attending to propose a political understanding of the notion. This will require directing the attention to the state powers and their regulations regarding the lines of demarcation between the elements of the pair. Later, the overlapping between formality and informality will be traced in the “popular world”. The notions of “state of exception” and “gray zone” will be studied next, since they aim to grasp said area of intersection. Finally, the potential and limitation of those concepts will be assessed.

Keywords
Informality; Marginalization; Clientelism; Gray zone; State of exception


Título: Retomar a informalidade. Uma abordagem da dimensão política

Este artigo analisa, a partir de uma abordagem teórica, a questão da informalidade. Propõe especificamente uma exploração da dimensão política que se inscreve no binômio formalidade-informalidade. Com este objetivo, nos remeteremos em primeiro lugar aos estudos sobre marginalidade, entendendo que aqueles aparecem como fundamento do problema em questão. Logo depois, a partir da reflexão sobre a própria noção de informalidade, trataremos de questionar sua dimensão política. Para tanto, nos voltaremos aos poderes estatais e ao seu estatuto em torno da demarcação dos umbrais do binômio, antes de rastrear as dobras entre formal e informal no “mundo popular”. Em seguida revisitaremos duas noções que pretendem retomar este espaço de interseção, “estado de exceção” e “zona cinzenta”. Finalmente, avaliaremos as potencialidades e os limites destas noções.

Palavras-chave
Informalidade; Marginalidade; Clientelismo; Zona cinzenta; Estado de exceção.




Seção livre: Retomar la informalidad. Un abordaje de su dimensión política

LICENÇA CREATIVE COMMONS

Creative Commons Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.