O Social em Questão - Revista do Departamento de Serviço Social PUC-Rio - Página inicial
Rio de Janeiro, 20/10/2018
ISSN 1415-1804 (Impresso) | ISSN 2238-9091 (Online)
Ano 21, n. 41 - mai.-ago./2018

Edição


Seção livre: Enfim, educar para quê? — reflexões acerca do ensino institucionalizado

Valeria Forti e Lorena Forti

Anyway, educate for what? – reflections on institutionalized teaching

Considerando as questões que marcam o atual cenário brasileiro, cujas repercussões incidem de maneira significativa nas políticas sociais e nos direitos dos envolvidos com o âmbito da educação (docentes, discentes, pedagogos, assistentes sociais, psicólogos etc.), o trabalho visa suscitar reflexões críticas acerca da educação no Brasil, apontando para o que aproxima o ideário dos Ginásios Vocacionais (1961-1970) – experiência educacional (e curricular) brasileira, pouco conhecida e muito singular frente às mudanças curriculares ocorridas no mesmo período e contexto – e o conceito de “conhecimento poderoso”, desenvolvido pelo sociólogo e teórico do currículo Michael Young. A saber: a proposta de que a atividade educativa institucionalizada necessita pautar-se em uma concepção clara de ser humano (consciente e crítico). Pois, uma educação que se institucionalize sem a referência de uma noção equânime de ser humano tende a se subordinar às relações de dominação (poder) nas sociedades e pouco pode fazer além de as endossar.

Palavras-chave
Políticas sociais; questão social; educação brasileira; ginásios vocacionais; currículo.

  

Title: Anyway, educate for what? – reflections on institutionalized teaching

Considering the issues that mark the current Brazilian scenario, whose repercussions have a significant impact on social politics and the rights of those involved with the scope of education (teachers, students, pedagogues, social workers, psychologists, etc.), the work aims to elicit critical reflections (1961-1970) – Brazilian educational (and curricular) experience, little known and very singular in face of the curricular changes that took place in the same period and context – and the concept of “Powerful knowledge” developed by sociologist and curriculum theorist Michael Young. Namely: the proposal that institutionalized educational activity needs to be based on a clear conception of human being (conscious and critical). For an education that becomes institutionalized without the reference of an equable notion of being human tends to subordinate itself to the relations of domination (power) in societies and can do little more than endorse them.

Keywords
Social politics; social issue; Brazilian education; vocational gyms; curriculum.




Seção livre:Enfim, educar para quê? — reflexões acerca do ensino institucionalizado

LICENÇA CREATIVE COMMONS

Creative Commons Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.